Planos saem da lista de serviços mais reclamados

Número de beneficiário em planos de saúde volta a crescer
21 de março de 2017

Planos saem da lista de serviços mais reclamados

A Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde) aponta que as operadoras e seguradoras de planos de saúde estão fora da lista dos dez setores líderes de reclamações dos consumidores. O levantamento baseia-se nos dados de canais oficiais de atendimento como o Boletim do Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor (Sindec), a plataforma consumidor.gov.br e o relatório anual de fiscalização da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Segundo a FenaSaúde, houve uma redução no número de reclamações contra s operadoras e seguradoras de saúde nos últimos anos.

Em 2016, o Sindec, da Secretaria Nacional do Consumidor, que reúne os Procons de todo o país, constatou que nenhuma operadora de plano de saúde aparece no ranking das 50 empresas mais reclamadas. O segmento aparece na 13° posição, com 1,5% do total de reclamações. A liderança é do setor de telefonia celular, seguida da telefonia fixa, cartão de crédito, bancos e TV por assinatura. Em comparação com 2015, houve uma redução de 4,4% nas reclamações relacionadas aos planos de saúde.

A plataforma consumidor.gov.br de junho de 2014 até dezembro de 2016, observou que a assistência à saúde privada não apareceu na lista dos dez assuntos mais contestados, entre os mais de 560 mil atendimentos finalizados no meio digital.

O relatório anual de fiscalização da ANS registrou 89.655 reclamações de beneficiários em 2016, contabilizando uma queda de 12,2%  em relação a 2015. Essas reclamações representam apenas 0,13% do total de 69,9 milhões de beneficiários registrados. Além disso, parte das reclamações foram feitas devido a questões específicas do setor como o desequilíbrio de uma grande operadora no Rio de Janeiro e a saída de outra operadora do mercado.

Para a presidente da FenaSaúde, Solange Beatriz Palheiro Mendes, a redução das reclamações deve-se ao investimento das operadoras e seguradoras na qualificação dos seus canais de atendimento ao consumidor como os  SACs e as Ouvidorias. Segundo ela, para evitar futuras reclamações é importante orientar o beneficiário a ler e compreender o contrato para ter conhecimento das coberturas. “Existe a visão equivocada de que a aquisição de um plano de saúde dá direito irrestrito a todo e qualquer procedimento”, alerta a presidente.

Apesar da melhora, a FenaSaúde destaca que, como em qualquer segmento, o setor ainda enfrenta problemas que devem ser superados. “Para resolver esses impasses, as operadoras e seguradoras investem em uma comunicação cada vez mais clara e objetiva junto ao consumidor. O resultado desse esforço começa a dar frutos com o melhor desempenho  nos índices oficiais de reclamações. Como o plano de saúde é o terceiro item mais desejado pela população, devemos sempre aprimorar a relação com o beneficiário que estima tanto esse serviço”, finaliza.

Fonte: FenaSaúde.