Temos experiência e qualificação para prestar atendimento personalizado e estratégico à sua operadora.

Sobre Nós

Há mais de 15 anos, a Sallus Gestão em Saúde e Assessoria Contábil nasceu da percepção de seu fundador de que as operadoras de planos de saúde e odontologia necessitam de soluções estratégicas para atender às normas técnicas regulamentadas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e de serviços contábeis voltados à suas demandas. Atualmente, a Sallus tem abrangência nacional atendendo mais de 130 clientes satisfeitos com o nosso trabalho.

Porque contratar a Sallus?

Nossa Equipe

A equipe da Sallus é composta por profissionais qualificados em Administração de Empresas, Contabilidade, Direito, Ciências Atuariais, Estatística, Recursos Humanos e Enfermagem. Os nossos colaboradores têm experiência na área de saúde suplementar para oferecer soluções personalizadas ao perfil e às necessidades de gestão e contabilidade das operadoras de Planos de Saúde e Odontologia.

Diretor Presidente

Pedro Pereira é o responsável pela criação da nossa história. Com mais de 25 anos de experiência, tem uma visão inovadora do mercado. Graduado em Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Ciências Atuariais e pós-graduado em Gestão Empresarial, é pioneiro nos serviços contábeis para operadoras de planos de saúde e odontologia e especialista em consultoria técnica e atuarial em saúde, seguros e previdência.

Descubra nossas soluções para sua operadora. Solicite uma proposta e saiba mais sobre os nossos serviços.

23 de abril de 2018

Franquia e coparticipação são opcionais

A possibilidade da contratação de planos de saúde com franquia ou coparticipação, conforme proposto pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), representará um avanço tanto para o setor de Saúde Suplementar quanto para os próprios consumidores. Está em discussão junto à ANS uma proposta de normativo com o objetivo de atualizar a regulação sobre o tema, estabelecendo limites e parâmetros para aplicação desses produtos, uma vez que, são mecanismos financeiros de regulação já existentes e amplamente usados pelo mercado de planos de saúde. Atualmente, cerca de 50% dos beneficiários possuem contrato com um desses mecanismos. A Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde) calcula que os planos com franquia fiquem mais baratos e que haja uma redução na utilização de procedimentos que hoje são considerados excessivos e estariam tornando os planos mais caros para os beneficiários. “Esses mecanismos são opcionais, ou seja, o consumidor pode ou não optar pelo plano com essas características. E irá funcionar como um moderador do uso e, portanto, combate os desperdícios, mas isso não quer dizer que o paciente deverá se descuidar da sua saúde”, explica José Cechin, diretor-executivo da FenaSaúde. Ainda de acordo com o diretor da FenaSaúde, o plano com franquia deve atender ao consumidor […]
19 de abril de 2018

Plano de saúde poderá ter franquia com o mesmo valor da mensalidade

A partir do segundo semestre, as operadoras de planos de saúde poderão cobrar dos segurados franquia de valor equivalente ao da mensalidade, em mecanismo similar ao praticado no mercado de seguros de veículos. As mudanças estão em nova norma da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) com previsão de publicação até junho. Entidades de defesa do consumidor alegam que as mudanças podem prejudicar os consumidores. A ideia é regulamentar nos contratos de convênios médicos a adoção de franquia e coparticipação (quando o cliente arca com uma parte dos custos do procedimento toda vez que usa o plano de saúde). Ambas as modalidades já estavam previstas em resolução do setor de 1998, mas não tinham normas bem definidas. A coparticipação já vem sendo praticada, mas os atuais critérios de cobrança dependem de negociação entre operadora e cliente. Já a franquia, por falta de regras específicas, não é adotada na prática. A partir da publicação da nova norma, em fase final de análise pelo departamento jurídico da agência, as operadoras poderão vender planos com franquia e coparticipação, mas a parte a ser paga pelo cliente no somatório do ano terá como teto o mesmo valor que ele pagou nos 12 meses. Ou […]
13 de abril de 2018

Artigo: desperdício x eficiência

Frequentemente, de forma equivocada ou por má-fé, alguns culpam o setor privado como motivador de menos investimentos disponibilizados ao SUS – uma inverdade alimentada pelo discurso de suposto financiamento público às operadoras. Por isso, vale sempre frisar que não existe renúncia fiscal e, sim, incentivo transparente ao patrocínio privado, sendo certo que o incentivo é muitíssimo menor do que a desoneração que traz para o orçamento público. Ademais, há uma batalha permanente dos gestores dos planos privados para melhorar os índices de eficiência e diminuir as fontes de desperdícios. Eficiência e desperdícios não são balelas na saúde suplementar. Segundo o Instituto de Estudos da Saúde Suplementar, em 2015 os desperdícios no sistema de saúde provocaram perda superior a R$ 20 bilhões. Na mesma direção, o relatório “O Financiamento da Cobertura Universal”, da Organização Mundial da Saúde (OMS), aponta que entre 20% e 40% de todos os gastos em saúde são desperdiçados por ineficiência. Os desperdícios no setor privado – entre outras razões – são decorrentes de fraudes, falta de transparência da formação de custos da indústria farmacêutica e dos hospitais e pela prática de remunerar os profissionais de saúde pela quantidade de procedimentos que produzem. Isso só faz incentivar atendimentos […]
6 de abril de 2018

Artigo: sustentabilidade dos planos de saúde

Existe uma relação entre o conceito de sustentabilidade e o setor de Saúde Suplementar. Seja pelos aspectos econômicos, seja pelo viés da preservação da qualidade da saúde. Nunca se discutiu tanto o desenvolvimento sustentável do setor de Saúde Suplementar – segmento privado e complementar ao sistema público. Atualmente, cerca de 47 milhões de brasileiros têm planos de saúde – esse número já foi superior a 50 milhões. Terceiro item de maior desejo da sociedade brasileira, atrás apenas de casa própria e educação, o plano de saúde é sinônimo de segurança, conforto e cuidado, ainda mais diante das deficiências apresentadas pelo Sistema Único de Saúde. No Brasil, temos acesso a uma medicina de primeiro mundo e a tecnologias médicas cada vez mais avançadas e, consequentemente, mais caras. E todo mundo quer desfrutar do que há de mais moderno e eficiente. Tanto a população quanto os profissionais médicos buscam procedimentos de ultima geração, mas tudo isso tem um custo e, atualmente esse custo está cada vez mais descontrolado. Frequentemente, um dos temas que mais impacta a relação entre as operadoras e os beneficiários é o reajuste das mensalidades dos planos de saúde. A reclamação geral é que os reajustes estão muito acima […]